Precisamos parar de ver através da câmera

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on email
Share on telegram

Estava fazendo minha ronda noturna pelo feed do Facebook quando me deparei com um show da Adele. Um amigo que está viajando pelo exterior aproveitou não apenas para assistir à cantora britânica, mas fazer lives das principais faixas do espetáculo. Nada de errado, tem mais que aproveitar mesmo. Porém, uma coisa: A pessoa foi até lá e assistiu ao show pela tela do celular?

Você já deve ter percebido que quanto mais a gente se concentra para gravar alguma coisa, menos atenção a gente presta no momento real e, por melhor que tenha ficado a captação, ela nunca vai ser igual ao original. Mesmo sabendo disso, por que sentimos esta vontade incontrolável de gravar tudo?

Uma experiência que mudou o meu modo de pensar em relação a isso aconteceu em abril de 2014. O Shopping Villa-Lobos estava com uma exposição da Lotus pilotada pelo Ayrton Senna em 1986. Na verdade, o carro ficava escondido do público e só aparecia por aproximadamente cinco minutos. Nessa hora, todo mundo precisava se acotovelar ao som do Tema da Vitória para conseguir um bom ângulo do monoposto. Lógico que saquei meu telefone e gastei bons três minutos gravando o carro. Ao desligar, aproveitei para admirar com meus próprios olhos e então percebi: O carro estava ali, em todas as dimensões, a poucos metros. Eu podia olhar os detalhes da pintura, pneus e assoalho apenas com um movimento de pescoço. Só então percebi o quão emocionante era o momento… que durou menos de dois minutos.

Em casa, a decepção foi maior ainda. O vídeo estava lá, mas não tinha nem metade da magia do momento verdadeiro. Aqueles três minutos gravados só serviram para ocupar a memória do celular.

Vídeo não captura energia

O episódio da Lotus me ensinou uma importante lição: Por melhor que seja a câmera, ela não capta a energia. A sensação de estar pessoalmente em um local é única. Vídeos e fotos servem como uma boa lembrança, é verdade. Mas precisamos reservar a maior parte do tempo para viver o momento. É essa emoção que fica grudada na memória. Muitas vezes a nossa recordação gentilmente faz com que o momento fique bem mais épico do que ele realmente foi. E isso é delicioso.

Como disse Adele a uma fã que gravava seu show na Itália: “Você pode aproveitar isso na vida real.” Tente não esquecer isso quando estiver em um show, ou em uma paisagem única. Esqueça pelo menos um pouco da câmera e viva verdadeiramente o momento. Eu posso garantir que a recompensa é muito maior do que um álbum de fotos.

Tags

sobre o autor