Viajar pelo Brasil é caro?

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on email
Share on telegram

Desde que me entendo por gente, ouço falar que viajar pelo Brasil é caro. Fato é que decidir o destino de uma viagem vai além dos custos, mas os destinos no exterior costumam ser as preferências dos brasileiros. Com a ajuda de uma especialista, discorro sobre alguns dos prováveis motivos que levam os brasileiros a essa escolha.

Preço é diferente de valor

O primeiro fator que influencia uma viagem é o preço. O custo absoluto para viajar aqui pode ser muito menor do que ir para fora, principalmente com o dólar a R$ 3,80. Mas, no fim das contas, preço e valor são aspectos distintos na escolha de uma viagem, segundo a turismóloga Nathália Gomes, do blog Turismóloga pelo Mundo. “Quando comparamos os custos além das passagens, como hospedagem, alimentação e lazer, o preço pode não compensar. De que adianta ir para um destino que não é do seu interesse, porque estava barato, se poderia juntar um pouco mais e fazer a viagem dos sonhos? Aí, entra o valor da viagem, e não o preço. O dinheiro é, sim, um fator importante na escolha do destino, mas não deve ser o principal”.

Reputação

É natural que conhecer outras culturas pese mais do que visitar outros estados por aqui. E não somos o único país que valoriza o status do exterior, isso acontece com todas as nacionalidades.

Mas é preciso cuidado em classificar tudo de fora como bom e tudo daqui como ruim. Você pode se sentir enganado por alguém aqui e chamar de “jeitinho brasileiro”, mas a mesma coisa acontece em qualquer lugar do mundo. Temos problemas, é claro, mas temos atrações e serviços que merecem o mesmo valor do que locais do exterior.

No entanto, deve-se reconhecer também que a atenção do Governo é fundamental para alavancar nosso potencial turístico interno e externo, sem dependermos das temporadas e grandes eventos culturais.

“A questão da violência, das más estradas, das doenças, como dengue e zika, tudo isso assusta. Então, a melhoria deve acontecer no País como um todo, até conseguirmos aperfeiçoar as políticas de turismo”, pontua Nathália Gomes.

Nós nos aprofundamos nesta questão da imagem do Brasil no turismo neste outro post.

Sem antecedência

Um bom planejamento é o segredo para concretizar qualquer viagem. E, no caso das nacionais, talvez ele precise ser ainda mais antecipado. Para a turismóloga, ficamos mais despreocupados quando o destino é nacional e nos esquecemos de aplicar a flexibilidade e o prazo a nosso favor, antes de comprarmos as passagens.

“Normalmente, o brasileiro pensa em viajar no Réveillon, feriados e férias. Ou seja, na alta temporada (dezembro, janeiro e julho). Então, é normal comparar os preços dessas épocas no Brasil com os preços dos destinos internacionais, que podem até estar na baixa ou média temporada. É por isso que, às vezes, fica mais barato viajar para fora”, explica Nathália.

De acordo com a especialista, passagens e hospedagens são os itens mais caros numa viagem. E, para não esvaziar demais o bolso, devemos reservá-las com meses de antecedência, fugindo dos finais de semana e datas já citadas.


A percepção de caro e barato é muito relativa, mas não é justo aproveitar os preços surreais da alta temporada para depreciar o turismo nacional, como se tudo tivesse que ser de graça. É claro que nosso País tem muito a melhorar, mas é importante olhar para suas experiências sem comparar coisas que não são equivalentes. Você só tem benefícios em não se privar de conhecer lugares incríveis Brasil afora.

Tags

sobre o autor