Esse lugar é real? Como as fotos manipuladas nos confundem na internet

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on email
Share on telegram

Se você já decidiu seu próximo destino de férias, provavelmente está seguindo algumas hashtags populares do local nas redes sociais. Parece besteira, mas essa é uma maneira de trazer as fotos publicadas pelos turistas direto para o seu feed, podendo até interferir na hora de decidir o roteiro e aumentar a motivação para a viagem. Nisso, você compra as passagens, faz a mala, atravessa meio mundo para chegar lá e descobre que não era bem assim como você tinha visto. Vish! Uma tamanha frustração para esse coraçãozinho.

Foi mais ou menos isso que eu senti na minha última viagem de férias. Vi tantas fotos incríveis da Tailândia nas redes sociais que, ao chegar nos locais registrados, eu sentia que estava “faltando algo”. A expectativa era tão alta que dificilmente algo me surpreendia e eu sentia uma certa frustração, mas não sabia identificar a origem.

A resposta veio por acaso. Eu tinha acabado de visitar Ayutthaya (cidade próxima a Bangkok com ruínas incríveis) e, nesse caso, tinha visto poucas fotos do local. Resultado: fiquei empolgadíssimo com o passeio. Era, disparado, o melhor momento da viagem até então. No dia seguinte, conheci um casal de brasileiros que também tinha feito o mesmo roteiro e, no meio da conversa, eles acabaram me mostrando alguns dos registros que lá fizeram. Compreendi tudo na hora.

Ruínas de Ayutthaya

A foto é melhor que a realidade

Era a imagem de um lugar tão incrível que eu até demorei para reconhecer. Logo de cara eu pensei que talvez eu não tivesse visto tudo, ou que o motorista do tuk-tuk tinha me enganado. Demorei um pouco para perceber que eu também tinha estado ali e que a questão era a foto. Foi nessa hora que surgiu esse diálogo:

— Nossa, que dia lindo! Que sorte que vocês deram. Quando vocês foram?

— Ontem também, mas é que a gente tem como mudar o céu para a foto ficar melhor.

— Ah, entendi. Mas deve ter sido bem cedo então, porque não tinha ninguém.

— Ah, não, é que a gente tem um aplicativo que apaga as pessoas da foto. Fica bem mais bonito, você precisa baixar!

Estava explicada minha frustração. A busca por fotos perfeitas e likes abre caminho para um nível de manipulação que, apesar de conhecer, não esperava que fosse tão comum. É como se a Torre de Pisa, levemente inclinada, não ficasse bem no seu enquadramento. Resolver é simples, basta ajustá-la no Photoshop e está pronta a postagem perfeita.

Foi o que aconteceu nessa semana em uma publicação do Beautiful Destinations no Instagram. A página, com mais de 12 milhões de seguidores, divulgou uma linda foto de um canal em Amsterdã, na Holanda, margeado por floridas cerejeiras. A foto na verdade é o resultado de uma fotografia infravermelha feita pelo fotógrafo e não apresenta as cores reais da paisagem. Após serem avisados por um dos seguidores, eles até arrumaram a legenda, mas que isso pode ter causado uma impressão errada do lugar, pode. Se você quer ver lindas cerejeiras às margens do rio, talvez seja melhor cortar a Holanda do roteiro e ir para o Japão.

Ah, mas e os blogs?

Infelizmente, nem todos os casos de manipulação são inocentes ou acidentais. Quem lê blogs de viagem antes de embarcar, provavelmente já encontrou situações que diferiam um pouco (ou muito) do que estava publicado. Claro que é impossível generalizar e existem ótimas opções que devem ser lidas na hora de fazer um roteiro, mas alguns acabam vacilando com seu público, escolhendo fotos que não traduzem a experiência completa.  

Como a rentabilidade muitas vezes vem das vendas de seguro viagem ou hospedagens, dificilmente alguém escreve a dura verdade de um local capaz de fazer você repensar um passeio. Seria um tiro no pé, não? Por isso, muitas vezes parece que tudo que eles fizeram foi sensacional e valeu a pena. É sempre bom ficar atento nesses casos, principalmente quando se tem poucos dias em um destino.

Uma boa foto para escolher o hotel

Quando o assunto é escolha de hospedagem, é bom preparar uma lupa para uma análise detalhada. Pense que eles estão todos agrupados no site de reservas precisando chamar sua atenção a qualquer custo. Claro que a escolha perfeita de ângulos e umas pequenas manipulações podem fazer a diferença.

O próprio Booking.com costuma pressionar os locais para diminuir possíveis disparidades. Mesmo assim, boa parte das adulterações só são percebidas por meio de reclamações de clientes, que provavelmente já foram lesados. Já o site de reservas Oyster.com visita pessoalmente os locais para fazer suas próprias fotos. Quando tem algo diferente do divulgado pelo hotel, eles comparam as imagens em uma galeria especial. Vale a pena dar uma olhada e aprender a identificar esses truques.

Depender de fotos que foram publicadas é fundamental para fazer um bom roteiro, mas escapar das pegadinhas está longe de ser uma tarefa fácil. Tenha paciência e pesquise o lugar com atenção. Às vezes você vai pensando que é um mirante, mas na verdade, as fotos foram feitas por um drone.

Sabemos como uma viagem é um grande investimento, por isso, não economize no planejamento e, sempre que possível, procure falar com alguém que conheça pessoalmente o local. Nem sempre uma imagem vale mais do que mil palavras.

Você já passou por uma situação assim? Conte como foi nos comentários!

Tags

sobre o autor