9 dicas para viajar sozinha

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on email
Share on telegram

No meu texto anterior, falei sobre a dor e a delícia de viajar sozinha. Não é fácil andar por aí sendo mulher, convenhamos. Mas o medo não pode nos impedir, combinado?

Pensando nisso, separei algumas dicas de segurança minhas e de amigas mochileiras, para você se sentir mais tranquila durante uma viagem. Assim, dá para curtir sua experiência da melhor forma possível. E, vai por mim… Os conselhos são bem úteis! Olha só:

1. A primeiríssima dica é sempre deixar uma cópia do seu itinerário com alguém que possa te ajudar na hora do aperto, como parentes e amigos. Mantenha contato com eles sempre que possível, dizendo onde está e o que está fazendo.

2. Faça amigos. É claro que o objetivo da sua viagem não é estar acompanhada em todas as etapas dela, mas procure sempre conhecer as pessoas.

A viajante Ana Santos não perde a oportunidade de socializar durante suas viagens, mas com alguns cuidados. “É aconselhável não dar pinta que está só. Ao fazer novos amigos, sempre diga que vai encontrar alguém ou que está esperando por alguém. Faça amizade com os locais. Eles são os mais indicados para dar dicas”.

Outra dica que a aventureira usa para acampar sozinha desde nova (quando ainda não existia camping), é montar a barraca estrategicamente perto de famílias, pois elas nunca deixam o acampamento sozinho.

3. Se precisar de um guia, dê preferência por uma guia mulher. Infelizmente, embora elas ainda sejam minoria no turismo de aventura, podem transmitir mais confiança em um primeiro momento.

4. Use uma aliança de casamento, mesmo que falsa. É, eu sei, isso soa bem ridículo. Mas pode ajudar a dar aquela intimidada em gente desagradável quando se está sozinha. Eu mesma tinha um “anel do truque”. Se o “chega pra lá” não resolvia, era só virá-lo ao contrário e mostrar a mão esquerda para afugentar “inconveniências” (vulgo encheção de saco).

5. Nenhum lugar é 100% seguro, mas existem boas pessoas. Então, sempre peça ajuda.

“Em Lima, no Peru, fui participar da passeata Ní Una a Menos. 99% das pessoas eram mulheres. Achava que estava num ambiente seguro, quando um senhor de idade se aproximou e começou a se esfregar em mim. Ele tirou meu celular, comecei a gritar com ele e uma manifestante chamou a polícia com megafone. Não acharam o celular (ele já devia ter passado adiante) e perguntaram se eu queria prestar queixa, porque eu precisaria ir para a delegacia. Aí, eu pensei: estou numa passeata com milhares de mulheres que lutam para acabar com a violência contra as mulheres. Vou denunciá-lo por assédio sexual, para que ele não faça mais isso com mulher nenhuma. Segui pra delegacia do turista, registrei ocorrência, repeti tudo na delegacia civil e para a promotora, e o cara foi preso. Perdi meu sábado em Lima, mas ele foi preso e já havia queixa de assédio contra ele. Dever cumprido!”, conta a viajante Cristina Hamester, que viaja sozinha desde os 40 anos de idade.

6. Se prepare bastante para a viagem. Faça uma pesquisa extensa e, mesmo assim, peça informação, principalmente quando for andar por aí à noite.

7. Procure ficar sempre alerta. Alguns cuidados não devem ser negligenciados só porque você está passeando. Se você quiser curtir uma balada, fique sempre atenta a sua bebida, cobrindo-a com a mão para evitar a adição de qualquer substância química sem que você perceba.

8. Se você se perder, não fique parada com cara de ponto de interrogação. O mais sensato a se fazer nessa hora é pedir informações em estabelecimentos comerciais idôneos. Isso se você não estiver perdida numa trilha no meio da floresta, óbvio. Nesse caso, tente se orientar o mais rápido possível e continue andando até se achar.

9. Existem culturas que são mais cruéis com mulheres, então você precisa ter coragem e cuidados extras.

Nanda Fabiane entrou de cabeça em seu ano sabático e viajou sozinha pela Ásia e Austrália. Hoje, ela relembra que as diferenças culturais podem dificultar um pouco as coisas. “Viajar sozinha em países muçulmanos é um pouco arriscado. Se você estiver com alguém, o risco é menor. Já passei muitos perrengues, mas nada que me fizesse desistir. Além disso, conhecemos gente nas trips para nos acompanhar quando necessário”.


Uma coisa é certa: todas as viajantes que entrevistei nunca deixaram de viajar por conta do medo.

“Perigos existem em cada esquina. Claro que, quando se está sozinha em outra cidade ou país, passar por certas situações parece assustador, mas precisamos respirar fundo e buscar uma saída. É preciso muito autoconhecimento, sair da zona de conforto e encarar nossos medos. Depois desse passo inicial, o mundo é nosso”, enfatiza Cristina.

“Viajar sozinha te abre a novos amigos e você vira dona do seu horário e roteiro. A coragem de partir é um trabalho pessoal de cada um, mas começar pelo desapego, tanto familiar quanto material, facilita. Menos é mais”, diz Ana.

“Sozinho você se conecta com quem e com o que quiser no tempo que quer, aprende muito mais e adquire independência emocional. A coragem pra mim foi fácil, porque o meu maior medo é ver minha vida passar e eu não ter conhecido o mundo”, finaliza Nanda.

Para mais dicas legais, recomendo o grupo VIAJAR SOZINHA – Dicas, do Facebook. Ele é fechado, mas basta solicitar a participação às moderadoras.

Bora explorar esse mundão e cuidar mais de nós mesmas! Qual a sua próxima parada?


Tags

sobre o autor